Notícias, atualidades e curiosidades acerca da cidade de Viana do Castelo, Portugal.

Igreja da Matriz (Caminha)

A Igreja da Matriz de Caminha esteve encerrada ao público desde o ano de 2001 até 16 de Dezembro de 2007. Durante este período sofreu obras de requalificação, orçadas em cerca de 3 milhões de euros, que incluíram a reabilitação de fachadas, com tratamento da pedra, recuperação da cobertura, remodelação do pavimento, entre outros trabalhos.
Depois desta reabertura, voltou novamente a encerrar por razões técnicas, reabrindo novamente no passado dia 10 de Julho.

"A cenográfica, imponente e sobranceira Matriz de Caminha é o resultado da "riqueza e do querer desta póvoa marítima" que, nos finais da Idade Média, patrocinou a construção de uma das mais importantes obras do tardo-gótico português (ALMEIDA, 1987, p.150). Quer a qualidade da construção, quer a extrema rapidez com que foi executada, quer, ainda, a relevância artística e económica dos acrescentos (enriquecimentos) posteriores, provam bem a importância deste templo no contexto da História da Arte portuguesa na viragem para a época moderna.
A sua construção iniciou-se em 1488, sob orientação dos mestres biscaínhos Tomé de Tolosa e Francisco Fial. Este processo deu-se em perfeita actualidade com a entrada, no nosso país, de numerosos arquitectos formados em Espanha, em particular nos grandiosos estaleiros das Catedrais de Burgos e de Sevilha, e de que Júlio de Castilho foi o expoente máximo (PEREIRA, 1995, vol.2, pp.68-69). No Norte de Portugal, vamos encontrá-los a dirigir obras em Caminha, Vila do Conde, Braga, Lamego, etc., progredindo depois para o Sul.
Ao que tudo indica, a igreja foi concluída escassos vinte e cinco anos depois, pois logo em 1511 estaria colocado o provável tecto de alfarge, devido ao mestre galego Fernão de Muñoz (PEREIRA, 1995, p.89) e os dois portais certamente encontravam-se em fase de acabamento, se não estivessem já terminados.
Nesse quarto de século, assistimos a duas fases fundamentais: nos primeiros tempos, o risco e direcção de mestres biscaínhos; depois, à medida que estes foram sendo atraídos pelo Sul, vamos encontrar um português de Viana à frente das obras, Pero Galego, a quem se atribui a conclusão da igreja e a Capela dos Mareantes. Entre estes nomes, observa-se um lento abandono do vocabulário tardo-gótico de ascendência plateresca e uma progressiva abertura ao Renascimento, sobre um fundo volumétrico tradicional, aspectos que, combinados, colocam este templo num estádio de excepção face à generalidade da arquitectura nacional".

Ler mais...
Texto retirado do site do IGESPAR





Comentários

Mensagens populares deste blogue

VIANA | À beira da estrada

“Sentidos de Viana” promete animação de Natal e Ano Novo para vianenses e turistas

VIANA | Ministro do Ambiente inaugura amanhã obras na Praia Norte

Viana festeja o Natal e Ano Novo com vasto programa