Notícias, atualidades e curiosidades acerca da cidade de Viana do Castelo, Portugal.

Câmara de Viana pondera parar obras do Coliseu de Souto Moura por falta de dinheiro

O presidente da Câmara de Viana do Castelo admitiu, ontem, a possibilidade de vir a suspender, temporariamente, as obras do Coliseu de Souto Moura, que está a nascer na frente ribeirinha, ao lado da Biblioteca, projectada por Siza Vieira, e da Praça da Liberdade, com edifícios administrativos traçados por Fernando Távora. O investimento, no pavilhão multiusos, ultrapassará os 12 milhões de euros. A hipótese de parar a empreitada foi avançada por José Maria Costa, na reunião ordinária do executivo, em resposta às perguntas levantadas pelos vereadores do PSD.
Costa explicou que nesta altura está esgotada a possibilidade de endividamento bancário e face à falta de perspectivas quanto a uma eventual candidatura aos fundos comunitários, a única solução que restará ao executivo é “suspender temporariamente” os trabalhos, uma vez que o bolo financeiro em causa é muito avultado para a capacidade financeira do município.
De acordo com o autarca socialista, neste momento, já foram executados 6,2 milhões de euros mas ainda faltam mais sete milhões de euros para finalizar a obra e para executar os arranjos exteriores.
O autarca lembrou que a autarquia já anteriormente tinha contraído um empréstimo bancário, de quatro milhões de euros. Relativamente ao financiamento comunitário explicou que não está definitivamente afastado. No entanto, também adiantou que face à reorganização dos programas, «não está prevista, a curto prazo, a abertura de avisos ao eixo em a que se pretendia candidatar a obra».
Face a este cenário, o porta-voz do PSD, Carvalho Martins, não escondeu a preocupação pela «situação difícil» com que se vê confrontado o actual executivo. O vereador, que desde o inicio, ainda com Defensor Moura na presidência da autarquia, se opôs ao projecto, por considerar que se trata de uma «obra faraónica», não poupou críticas ao agora deputado do PS e candidato às últimas presidenciais. Martins acusou Moura de «irresponsabilidade», por ter iniciado a obra sem ter financiamento.
«Com amigos destes, o senhor presidente não precisa de inimigos», afirmou Carvalho Martins, dirigindo a José Maria Costa.

Fonte: Rádio Alto Minho (26.01.2011)

Comentários

  1. Histórias tristes da minha cidade: ou de como a vaidade e a soberba nunca foram boas conselheiras!

    ResponderEliminar
  2. E ainda queria ser Presidente da República...
    Pelo menos teve o voto da filha que colocou na Câmara como efectiva.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Nove praias em Viana com “Qualidade de Ouro”

Sábado Florido em Viana

WRC Vodafone Rally de Portugal 2018 passa amanhã em Viana