Notícias, atualidades e curiosidades acerca da cidade de Viana do Castelo, Portugal.

Casa Brasileira a mais antiga confeitaria de Viana do Castelo

A fachada sóbria da “Casa Brasileira”, a mais antiga confeitaria da cidade de Viana do Castelo, “guarda” no seu interior verdadeiras delícias da doçaria tradicional.
Fundada por emigrantes no Brasil, que a abriram precisamente no dia 22 de Março de 1902, no edifício onde ainda existe hoje, em pleno centro histórico da cidade, este estabelecimento citadino foi durante muitos anos um ícone dos doces típicos de Viana do Castelo. Mas, como em tudo na vida, esta confeitaria também teve os seus pontos altos e baixos.
Os actuais proprietários, Sr. Norberto Martins e D. Maria Graça Ferreira, ex-emigrantes em França, quando em 2004 assumiram a direcção do estabelecimento, encontraram-no com uma deterioração que fazia esquecer os tempos dourados. Aos poucos, foram renovando o espaço e introduzindo nova doçaria de inspiração francesa que, juntamente com a confecção tradicional fez com que o espaço voltasse a ter a fama e a clientela que entretanto tinha perdido.
Entre as especialidades servidas nesta Casa, destacam-se os célebres Sidónios (em homenagem a Sidónio Pais, morto em 1918), bolos em forma de caixão, feitos de amêndoa, açúcar e ovos, cuja patente foi registada precisamente em nome da Casa Brasileira.
Quem já provou os Sidónios da Casa Brasileira sabe que nada do que se diz sobre eles é exagero, são simplesmente os melhores. E aqueles que ainda não os provaram façam-no quanto antes. Não se vão arrepender!
Eu, como cliente habitual, recomendo uma visita a este estabelecimento que, para além de apresentar uma grande variedade de deliciosos doces e chocolates de fabrico próprio, oferece também muita higiene e a simpatia dos seus proprietários e empregadas.







Comentários

Anónimo disse…
Eu que o diga. Sou uma viciada nos Sidónios da Brasileira.
Não resisto, devoro-os.
Aconselho a quem não os provou, que o faça. Vai ser amor à primeira.
Anónimo disse…
Esta confeitaria é sem dúvida uma das melhores da nossa cidade. Pena é que aos Domingos esteja fechada! Viana merecia que esta estivesse aberta todo o fim de semana!
Anónimo disse…
Além dos sidónios tem os rebuçados do Senhor dos Passos, os biscoitos torcidos, os chocolates e uns bolos divinais chamados ÓPERA.
Vale a pena visitar...
José Castro disse…
Como qualquer guloso que se preza,os sidónios não podem faltar.De quando em vez lá como um,mas como a idade já não deixa que se abuse...contudo tenho a dizer que já os provei noutros tempos e os achei melhores,talvez lhe falte algum toque que ficou nos segredos dos Deuses...
Anónimo disse…
Desculpe discordar da publicação, mas não concordo que a Brasileira tenha tido algum período "decadente" no período que antecedeu a alteração de propietários. A doçaria "tipo francesa" não é a trradicional portuguesa... Penso que haverá muitos vianenses que se recordam dos pãezinhos de leite e outros doces, bem como dos folhadinhos da "antiga" Brasileira. Da antiga Brasileira infelizmente só sobreviveram os sidónios... Vale-nos o Manuel Natário que continua a apostar no tradicional em detrimento da pastelaria francesa!!!!
Helena C.
Joana Vasconcelos disse…
Muito antes destes últimos proprietários já eu ia buscar o meu bolinho de vez em quando (o dinheiro na altura não era muito) à Brasileira.
Apesar de lá se vender outro tipo de doce tradicional, eu era adepta dos sidónios, não os trocava.
Na realidade, imediatamente antes destes novos proprietários, apesar da qualidade dos bolos continuar irrepreensível, o mesmo não se podia dizer das instalações, estavam mesmo a precisar de uma remodelação.
Também não me parece que actualmente na Brasileira, da doçaria tradicional, só se venda os sidónios, pois vejo lá mais variedade além da doçaria francesa (que apesar de ser de inspiração francesa não deixa de ser boa).
Anónimo disse…
Penso que não importa se são tradicionais ou se são de " pastelaria francesa"... Sei que são bons e têm um toque especial . Acima de tudo vê-se que há gosto naquilo que apresentam e higiene ( coisa que em muitas pastelarias "famosas" não existe, pois pegam no dinheiro e a seguir vão preparar uma torrada sem lavar as mãos...)
Temos de valorizar o que é nosso e mostrar o que de bom há . A qualidade não se resume só a alguns (que são sempre os mesmos).
Vamos dar a conhecer e aproveitar novas ideias e acima de tudo qualidade nos produtos que apresentam.
Anónimo disse…
Cara D.Helena C., discordo com o seu comentário, pois sim, a antiga Brasileira teve um período decadente, e só vou referir um ponto, que é a higiene do estabelecimento, que para mim é um factor muito importante! A doçaria "tipo francesa" não é a tradicional portuguesa,sim,mas não se pode comparar... Não sobreviveram só os sidónios pois continuaram com a maior parte dos produtos antigos, simplesmente alargaram a gama de produtos...Tem que haver coisas novas!
Mas concordo consigo, ainda bem que o Manuel Natário continua a apostar na pastelaria tradicional, se todos fizessem o mesmo não seria a mesma coisa... e falar de Viana sem falar das famosas bolas de berlim... é falar de Viana sem falar da tradição... Mas já agora acho que a Brasileira também continua a fazer parte da tradição pois ainda continuam a fazer o tradicional doce d'ovos, o moka, o sortido, os rebuçados da Páscoa, etc. Mas não há nada como ir la verificar e provar! Não ficará desiludida!
Sabrina
Anónimo disse…
Além dos sidónios que são uma maravilha, aprecio nesta pastelaria a higiene e a amabilidade dos funcionários, a mesma coisa já não posso dizer da "tão mediática" pastelaria Manuel Natário, a tal das "bolas de Berlim", que nunca as provei mas dizem maravilhas delas.
nia disse…
Esta confeitaria é realmente das melhores que conheço!!! A D. Helena se tivesse entrada nas antigas instalações com olhos de ver...ter-se-ia assustado com tamanha profusão de bicharocos que por lá cresciam...mas isso para alguns não interessa...a única coisa que realmente interessa a algumas pessoas é deitar abaixo o que de novo aparece...vivem no passado!!!Sim o Natário é bom, também lá vou mas não podemos ficar por aí!!!Temos coisas muito boas em Viana e uma delas é sem dúvida a BRASILEIRA!!!Bem hajam D. Graça e Sr. Norberto por fazerem coisas tão boas e pela vossa simpatia...por favor continuem a surpreender-nos!!!
Joaquim disse…
Na verdade o ser bolos tradicionais ou ser franceses pouco interessa!
O que realmente interessa é a higiene em 1º lugar, a qualidade e a simpatia.
Estes são pontos essenciais do sucesso.
Quando saboreamos um pastel, um bolo temos a considerar a cozedura, a massa e toque " Caseiro " das coisas.
Os bolos não se medem aos palmos, vemos confeitarias e Pastelarias que os bolos não valem nenhum. As massas são congeladas ,e sem paladar.
Os fermentos não obedecem a regras, não levedam convenientemente... etc.
Passados umas horas a vesicula dá-nos alerta do que efectivamente comemos.
O Sr Noberto e a D. Conçeição retomaram o rumo certo ,criaram clientela pelos seus proprios meios, sem favores de ninguém, sem exibição na Praça da Alegria , sem propaganda , a Casa fala por si.
Só não volta novamente quem não sabe realmente apreciar pastelaria.
Nao vou estar a dar graixa,nem recebo bolos de oferta pelo Natal, esta casa não necessita de folhetos de alusivos a Jorge Amado ,para fazer propaganda, porque os actuais proprietários nasceram nesta arte e sabem o que fazem e sabem o que querem.
Há muita boa gente que adquiriu fama , mas fazer bolos nunca os fez, tem o pasteleiro a faze-los.
Portanto o Sr Norberto já está a ganhar pontos.
Segundo ponto reza a história os primeiros rebuçados designados por Senhor dos Passos foram feitos pela 1ª vez nesta casa e mais tarde passaram a copiar o que realmente tinham inventado.
Agora toda a gente vende estes artigos.
Pena, porque quem os inventou é que tem o mérito.
A Conteitaria Brasileira , fabrica os bolos nas proprias instalações.
Enquanto outros trazem as bolas de Berlim num sei de onde , atravessam a Avenida e vem num carrinho de mão.
Pessoalmente não gosto nada das Bolas de Berlim, quem se der ao prazer de espremer uma Bola , aquilo é só azeite, e frias não valem mesmo nada.
Aquilo não é mais do que massa de Farturas, que só são gostosas quentes ,mas azeite é por demais.
Experimentem fazer uma vez, e vão ver como tenho razão !
Não me vou alongar mais no assunto , mas os actuais proprietários vão no caminho certo.

PARABENS

Os vossos bolos valem por si a minha classificação é de 5 ***** estrelas.
joaquim disse…
Desculpem o lapso ,quando me referia a propriétaria da confeitaria Brasileira era à D. Graça e não D. Conceição.
Por esquecimento , não mencionei as funcionárias da casa, aproveito para dizer que são uma simpatia.
Parabêns a todos os colaboradores, e mantenha sempre esse serviço , porque eu qualquer lugar darei sempre o meu elogio.
Uma vianense disse…
Provei um doce " macaron" que a Brasileira tem à venda e são EXCELENTES!!!!! Ainda bem que existe gente que gosta de inovar e proporcionar novos sabores aos clientes... Experimentem o de café ( há em vários sabores) ,é simplesmente delicioso!!!!!!
Anónimo disse…
Não sou de Viana, mas visito-a várias vezes ao ano. Das muitas coisas boas que Viana me proporciona, beleza, boa comida, simpatia das pessoas... uma visita obrigatória é à Casa Brasileira, para comer o meu Sidónio e mandar embrulhar mais uma duzia para levar para casa. São divinais.
Concordo com o que dizem sobre a simpatia do pessoal da Pastelaria e a higiene da casa é do melhor que se vê por aí.
Parabéns.
Anónimo disse…
Concordo com muitos dos comentários anteriores. A nível de higiene, qualidade e simpatia não há em Viana do Castelo quem bata esta Casa. São um exemplo a seguir.
Anónimo disse…
Na Confeitaria Manuel Natário tinha até à bem pouco tempo ,uns pães de leite com fiambre a que se dava o nome " Mariazinhas".
Este designação foi atribuida à longa data como memória à esposa de Sr. Manuel Natário.
Que foi feito dessa "especialidade" que desapareceu do mapa.
Ontem fui lá, e disseram-me que agora chamam-se pães de leite com fiambre.
As " Mariazinhas " acabaram efectivamente de vez.
Maria Antónia disse…
Sempre que vou a Viana do Castelo, não posso deixar de ir à Brasileira diliciar-me com os maravilhosos sidónios. Como-os no estabelecimento e mando embrulhar mais uma dúzia para levar para os amigos lá da terra.
Aconselho a quem nunca os provou para o fazer, pois vão ficar viciados como eu.
Paulo Caldeira disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
joaquim disse…
A Casa Brasileira foi fundada por Domingos Amorim Viana e D. Sofia Ramos Paz Amorim , na Rua de D.Luiz, hoje Sacadura Cabral.
A sua inauguração foi em 22 de Março de 1902.
Como tinham chegado do Brasil implementaram algumas especialidades como " Quindim " doce brasileiro, eram famosas as empadinhas de lagosta, empadinhas de perdiz, os jejuitas, Pão de Ló,frigideiras, Napoleão ( pastel folhado , e muitos outros que poderia inumerar aqui.
Depois de estar mas mãos da familia durante um longo periodo a casa foi passada ao Sr Noberto e D. Graça.
Os cem anos foram ignorados pelos historiadores locais o que na verdade foi de lamentar porque muitos deles comeram e deliciaram-se com doçaria desta casa.
O que é um facto a casa passou para boas mãos, melhorou em tudo , qualidade, simpatia, frescura e variadade , qualquer pessoa pode saborear os pecados da gula, pois volta sempre.
Os bolos são optimos,e as massas tem um toque caseiro.
A qualquer hora satisfazem a delicia dos gulosos.
Forasteiro nas festas de Viana disse…
Na Confeitaria Brasileira não há filas e o atendimento é rapido e sem demoras.
No blogue do Jn Viana ainda um dia destes vinha um comentário desagradável de uma pastelaria de Viana.
O forasteiro manifestou o desagrado como foi atendido duma forma grosseira, e dizia ele em desafavo que era pena que só para a televisão no programa da Praça da Alegria é que eram uma simpatia.
Conclui que seria o proprietário , mas na verdade foi um empregado .
Apenas lhe comuniquei que a responsável era a proprietária e esta deveria ser conhecedora do que efectivamente se passou.
Pena é que este comentário foi retirado do Blogue, para confirmar o desagrado e falta de delicadeza para com o cliente.
Há vezes os clientes por "graça" perguntam por curiosidade o que tem de bom o bolo , e duma forma " Gozada" ,contaram-me que dizem venha logo cá ás cinco que nós explicamos.
Será isto normal num atendimento!
Anónimo disse…
Conheci este blogue quando andava à procura na internet do Programa das Festas da Agonia. Encontrei aqui muita informação sobre a cidade que me ajudou muito, pois foi a primeira vez que vim a Viana do Castelo.
Como curiosidade procurei esta pastelaria para provar os célebres Sidónios. Confesso que os achei deliciosos e aconselho-os. Confirmo igualmente a simpatia das pessoas que me atenderam (apesar da confusão de gente que na altura estava na pastelaria) e no que diz respeito à higiene, pelo pouco tempo que estive lá pareceu-me ser de confiança (uma acopmpanhante minha pediu pão com fiambre e a empregada utilizou luvas para o preparar, o que não aconteceu noutros estabelecimentos aí de Viana que frequentei. Nem as mãos lavavam).
O bolo " Moca" estava uma classe. disse…
No dia 21 de Outubro de 2011 comprei um bolo de aniversário para festejar os anos do meu pai.
Estava uma delicia como sempre , a massa era "Fofa " e com toque caseiro.
Parabéns ao sr. Norberto o bolo estava uma classe.
Joaquim disse…
A Confeitaria Brasileira nunca teve " Padrinhos ",no entanto um poeta ilustre da terra escreveu 709 composições de reclamo a esta mesma casa.
Trata-se do escritor João Loureiro da Rocha Barbosa e Vasconcelos, com a assinatura o " Frei " alcunha estudantil e tertuliana,publicadas no jornal Folha de Viana e recolhidas em livro no ano de 1977 por António Manuel Couto Viana.
Inaugurada a 22 de Março de 1902 com a venda de rebuçados na Semana do Senhor dos Passos na igreja da Matriz em Viana tornou-se na confeitaria mais movimentada de cidade.
" Uma excurção da vizinha Galiza visitou Viana nessa época e na sua estadia , passagem,deliciou-se a comer os seus afamados pasteis.
No momento alguém ouviu dizer ! " Os bos gallegos dixeronse- Cheira bem, cá que bem cheira ! imos acó- È puxéronse/ A comer na Brasileira.
Anónimo disse…
Passei recentemente pela Pastelaria Brasileira e provei os deliciosos bolos que ali fazem..
Experimentem os "Macarron"!!
Simplesmente divinos e apetitosos...
Maria Antónia disse…
Simplesmente a melhor pastelaria de Viana do Castelo.
Sempre que vou a Viana é obrigatório passar pela Brasileira e comer os deliciosos Sidónios e mandar embrulhar uma duzia deles para distribuir pelos meus amigos cá de Lisboa que também adoram.
Também estou de acordo com os comentários que referem a higiene e a simpatia das pessoas que nos atendem.
Carla Rocha disse…
Fui a esta pastelaria através deste blogue. Não sou de Viana e não a conhecia.
Provei os sidónios e os macarrons. Que delícia.
Hei-de voltar a viana e à pastelaria Brasileira.
Joana disse…
Também apreciei a amabilidade e higiene desta pastelaria.
Sobre os sidónios não acredito que alguém faça melhor. Que delícias.
Anónimo disse…
Simplesmente a pastelaria com os melhores sidonios do mundo.
Cliente regular da Confeitaria Brasileira disse…
Hoje dia 22-10-2012 comprei um bolo de aniversário na Brasileira.
O Bolo estava " divinal" ,como sempre , denominado de " Bolo Moka ".
Aconselho-o aos apreciadores de coisas boas , é uma delicia.
Parabéns à D. Graça e ao Sr. Noberto que é um verdadeiro mestre em pastelaria.
João da Rocha disse…
A história dos rebuçados da Páscoa e a sua relação com a Casa Brasileira.
A Casa Brasileira foi inaugurada em 22/3/1902, precisamente com a venda dos rebuçados da Páscoa, durante as cerimónias religiosas.Os brancos,e os de caramelo eram os mais deliciosos. Os proprietários, fizeram uma decoração embelezando as mesas com tabuleiros apinhados de rebuçados na Rua Sacadura Cabral e no Largo da Matriz.
O sucesso foi tal , que o fabrico nunca mais parou.
A partir dessa época os concorrentes limitaram-se a copiar o sucessso dos outros.
Há dias durante o periodo Pascal vi uma noticia sobre os mesmos num jornal que circulou na cidade, mas ao tanto com a história mal contada.
As vezes o que parece não é !
Quem quizer saber mais pormenores basta ler o livro onde faz referênçias sobre os mesmos :
709 Poesias de reclamo à casa Brasileira ( João da Rocha) recolha de António Manuel Couto Viana .
Quanto ao resto nunca vi nada escrito, nem mencionado em qualquer parte .O que se vai dizendo não passam de " histórias " bem montadas e orquestadas.
Sidónio disse…
Os bolos denominados " Sidónios " foram criados e registados com a patente,pelo primeiro proprietário da Brasileira.
No entanto os chicos "espertos" limitaram-se a copiar e atualmente encontram-se em tudo o que é canto.
Os denominados Santa Luzias da antiga Pastelaria Vianense na Rua Sacadura Cabral aconteceu precisamente o mesmo.
A propaganda, histórias inventadas, e padrinhos fazem o resto.
Hitler dizia que uma mentira dita mil vezes passava a ser verdadeira.
Ilda Grisantes disse…
Já experimentaram os chocolates da Brasileira???'
Deliciosos...
Anónimo disse…
Perco a cabeça quando entro nesta pastelaria. Tanta coisa boa. A tentação é enorme.
Parabéns aos seus proprietários por nos adoçarem a boca com tanta delícia.
Torta de Viana há muitas , mas como da Brasileira , não há nenhuma. disse…
Realmente a torta mais apetitosa , mais bem confecionada foram as duas fatias de torta que comprei na Pastelaria Brasileira , no dia do concurso.
Quanto ao " juri " vale o que vale ,não são os senhores da verdade.
O publico em geral esse sim é que é o verdadeiro juri.
Sabe escolher , decidir.
São eles que fazem a casa.
Anónimo disse…
Estive em Viana há uns dias e quando estava a perguntar, numa papelaria, onde ficava o conhecido Natário, uma senhora indicou-me a Brasileira, levou-me lá e explicou-me a história do bolo Sidónio. Foi amor à primeira dentada. O bolo é realmente uma obra prima! Recomendo a todas as pessoas amantes de doçaria que provem um sidónio pois não se irão arrepender. Tenho pena de não ter trazido mais!!

Mensagens populares deste blogue

VIANA | Bicicletas desafiam os degraus do escadório de Santa Luzia

Funicular de Santa Luzia | A transportar pessoas desde 1923

VIAGENS À MINHA PRAIA | Na Praia do Cabedelo com Melânia Gomes

VIANA | Quinhentos dançarinos juntam-se para mais um Festival de Folclore Internacional