Notícias, atualidades e curiosidades acerca da cidade de Viana do Castelo, Portugal.

Concessão das marinas de Viana volta a concurso público em Maio


Num impasse há mais de três anos, a entrega da gestão das três marinas de Viana do Castelo a privados voltou à estaca zero. O Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga acaba de anular o concurso público. A Administração do Porto de Viana do Castelo (APVC), vai ter que lançar novo concurso, previsto para Maio, o terceiro desde 2008. Se o processo decorrer dentro da normalidade no final do verão início do Outono a APVC deverá entregar a gestão dos equipamentos.
Em declarações ao PÚBLICO o presidente do conselho de administração da APVC explicou que o concurso foi lançado de acordo com o decreto-lei que regula a Lei da Água mas o juiz considerou que «o decreto contraria a lei que o fez nascer e que por isso é ilegal».
Segundo Matos Fernandes o diploma em causa estabelece que a publicitação do concurso deve ser efectuada «nos locais de estilo» e, a Lei da Água, que antecede o diploma, determina que o anúncio deve ser publicado em Diário da República.
O processo chegou à barra dos tribunais pela mão do consórcio português, Real Iate Viana, preterido no procedimento concursal que adjudicou ao grupo espanhol MarePuerto Gestão de Portos, Unipessoal, Lda., a concessão dos equipamentos.
No entanto, Matos Fernandes garantiu que «em nenhum momento o acórdão do juiz atende às razões do reclamante e em nenhum momento critica o procedimento da APVC».
O responsável adiantou que era possível o recurso desta decisão mas a APVC “prefere ter uma marina do que ter razão”.
«O processo mais rápido para que isso aconteça é lançar novo concurso e é isso que vamos fazer durante o próximo mês», explicou.
A primeira tentativa de entregar a gestão das três marinas a privados ocorreu em 2008 e fechou deserta. A segunda, agora anulada, tinha atribuído, em Janeiro de 2010, aos espanhóis da MarePuerto, empresa com experiência na gestão de portos de recreio, a concessão, e exploração das três marinas de Viana do Castelo, durante os próximos 30 anos. Apesar do segundo concorrente, a Real Iate de Viana, sociedade formada por empresários locais ter vencido o concurso público, os espanhóis exerceram o direito de preferência, procedimento concursal previsto na Lei da Água.
A futura marina atlântica, prevista no Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha, resultará da reconversão da antiga doca comercial, onde está atracado o navio Gil Eanes e onde estão concentrados actualmente os pescadores da cidade.Com cerca de 477 metros de comprimento e 100 de largura, com a reabilitação prevista a referida doca passará a ter capacidade para receber embarcações com mais de 20 metros de calado.
O projecto de recuperação urbanística da zona envolvente da futura marina atlântica prevê ainda a construção de um aparthotel e unidades de restauração.
Actualmente o porto de recreio é constituído por duas docas. Uma, situada a jusante da ponte Eiffel, com 163 postos de acostagem para embarcações até 20 metros de comprimento e 3 metros de calado. Esta doca dispõe de água, energia eléctrica, sanitários e balneários, fornecimento de combustíveis, grade de marés e uma rampa para embarcações. A outra, localizada a montante da mesma ponte, dispõe de 144 postos de amarração para embarcações de menor porte.
Aumentar o número de atracagens já existentes na cidade é o objectivo da construção das novas marinas, já que a aposta no turismo náutico tem sido apontada como uma áreas que o executivo socialista está interessado em explorar.

Fonte: Rádio Alto Minho (21.04.2011)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sábado Florido em Viana

Nove praias em Viana com “Qualidade de Ouro”

WRC Vodafone Rally de Portugal 2018 passa amanhã em Viana