Candidata a Miss Universo desfila com traje regional de Viana

janeiro 23, 2015 3 Comentários

Patrícia da Silva, de 24 anos, nascida na Suíça e filha de pais portugueses, representante de Portugal no conceituado concurso de beleza, usou, na Gala Preliminar, durante o desfile para a Prova de Trajes Tradicionais, um fato típico de Viana do Castelo. 
A grande final da edição deste ano do concurso Miss Universo acontece este domingo, dia 25, na Arena da Universidade Internacional da Florida, em Miami, nos Estados Unidos.

3 comments:

adoro quem preza as tradicoes.

Anónimo disse...

Ideia interessante !
Só falha por um pormenor a expressão da pessoa não é natural , mas sim forçada .
Desejo as maiores felicidades à concorrente .
Ao autor da ideia os meus sinceros parabéns.
Quanto a pormenores de vestimenta deixo-os para o "expert " e mestre Bul-tê-lho All-Puim .

José Manuel Pires disse...

No dia 21 de fevereiro em Santa Marta de Portuzelo realizou-se uma tertúlia sobre o tema " Autenticidade no trajar , património a defender " na Sede do Grupo Folclórico de Santa Marta de Portuzelo.
Foram intervenientes o Eng. Manuel Augusto Almeida, O inspetor António Lopes Pires, a Senhora Laura Maria Balsemão Campos e a Dra. Maria Graça Ramos, e o Senhor Ilídio Ramos.
Apesar de o tema abordar matérias sensíveis. Temos de aceitar opiniões. O local e a casa convidava o publico em geral para a discussão de temas regionais.
Há pontos de vista que na área etnográfica , não se compadecem com a historia dos trajes e costumes .
Temos de ouvir , trocar ideias, falar , e tirar conclusões.
Para os bairristas é difícil aceitar certas verdades.
Entre o publico em geral , notei a ausência dos historiadores da nossa terra .
As pessoas que regularmente abordam estes assuntos, colaboram em livros. Foi pena que se esquecessem deste importante debate.
Onde estava o senhor João Alpuim Botelho, Benjamim Pereira, António Medeiros e outros com responsabilidades acrescidas nestas matérias . Estes mestres,foram intervenientes na publicação de um livro ?
A sua ausência foi notada.
O tema e cartazes estavam bem publicitados na nossa cidade . Apesar de algumas pessoas terem sido convidades ,alguns recusaram-se a participar na discussão do tema. Sabendo estes que estavam na palestra pessoas com valor , com muitos conhecimentos na área etnográfica, bem documentados, e que o tema a abordar seria polémico.
Todavia têm toda a legitimidade e estão no direito de recusar a participar .
Não gostei da atitude da Dra. Graça , sabendo que fora convidada para a palestra e interveniente na mesa , desculpou-se que tinha de ir embora para o Porto e ausentou-se logo no inicio do debate.
Quando foi convidada sabia bem para onde ia !
Compreendi a sua atitude .
Apesar de tudo gostei de ouvir os intervenientes. Fiquei atento a alguns assuntos focados. Fato de Dó, o fato de lavradeira.
Claudio Basto autor do livro "traje á vianesa ", foi tema em debate . Feita análise da sua obra , resumidamente, foi comentado que o fato à Vianesa descrito na obra se apresenta duma forma confusa.
Estes temas são necessários , a critica também faz falta para não se adulterar a verdade.
Alguém disse em dado momento na tertúlia " dum ponto se faz um conto ". O traje à vianesa como tema tinha duas vertentes o campo cultural e o campo etnográfico. Na parte cultural há muito a desenvolver e a investigar. Na parte etnográfica somos bem ricos nesta matéria. Como regularmente se está habituado abordar os temas regionais e etnográficos, sempre da mesma maneira, e os interlocutores serem sempre os mesmos. É difícil aceitar mudanças e correções.
Espero voltar a rever este tema que poderia dar pano para mangas e estar-se a falar-se horas a fio Apesar de a tertúlia ter acabado às 2 horas da Manhã o tema não tinha fim, muitos assuntos eram pertinentes. Foi pena não se ter abordado o fato de Meia Senhora e a sua verdade histórica.
Parabéns a comissão organizadora pela iniciativa e coragem em convidar especialistas em etnografia de fora da terra.