Notícias, atualidades e curiosidades acerca da cidade de Viana do Castelo, Portugal.

A liberdade está a passar por aqui há 40 anos

Faz hoje 40 anos que o Movimento das Forças Armadas (MFA) pôs fim a uma ditadura que governava o país há quase meio século. 
Ao longo destes 40 anos cometeram-se muitos erros e muitas promessas não foram cumpridas, mas é preciso não esquecer que em 1974, quando se deu a revolução, Portugal era um País sem esperança, onde existia a repressão, a miséria, o analfabetismo, a guerra colonial, a censura... 
Hoje, algumas das conquistas de Abril estão em causa, é preciso lutar pela defesa dos valores democráticos, pela defesa da Constituição da República. 
Viva o 25 de Abril!
 Viva a Liberdade e Democracia! Viva Portugal 

Para que esta data não passe despercebida, aqui deixo alguns registos da Revolução: 

AS SENHAS

Às 22H55 de 24 de Abril de 1974, ouviu-se nos Emissores Associados de Lisboa a primeira senha... a música “E depois do adeus” de Paulo de Carvalho. Era o sinal para as tropas avançarem.


Às 00H20 de 25 de Abril de 1974 foi para o ar na Rádio Renascença, "Grândola Vila Morena" que serviu para informar todos os quartéis e militares que aderiam ao golpe, de que tudo estava a correr conforme o previsto.


O DIA INICIAL
Palavras de Sophia de Mello Breyner,

 ditas por Ruy de Mattos e cantadas e acompanhadas ao piano por Isabel Cid.

  

UM ANO DE REVOLUÇÃO
Programa da RTP, que narra os principais acontecimentos do 25 de Abril de 1974 a 25 de Abril de 1975.

  

O DIA SEGUINTE (26 de Abril de 1974
)
Filme realizado por José Manuel Dias, no dia 26 de Abril de 1974, em Viana do Castelo (Retirado do site de AO NORTE - Associação de Produção e Animação Audiovisual).

 

CANÇÕES COM CHEIRINHO A ABRIL...

Trova do Vento que Passa

Comentários

JARRA disse…
O que para mim há de mais espantoso neste filme, são as pessoas arrumadinhas em cima do passeio ...

Mensagens populares deste blogue

GIL EANNES | Um Navio com história e memórias

VIANA | Praia de Paçô é uma das 10 melhores praias secretas para o “The Guardian”